Sexta, 18 Agosto 2017 15:17

Dr João Alberto Ribeiro Destaque

Escrito por 
Avalie este item
(1 Votar)


Clínico de Dor Clínico Geral
Cuidados Paliativos e Atenção a Doentes Acamados



O Dr João Alberto Ribeiro (CRM/SP 119485) é médico Clínico Geral e especialista em Manejo da Dor e Cuidados Paliativos, atuando na área há mais de 10 anos. É graduado em Medicina pela Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM) e iniciou seus estudos na área de Tratamento da Dor Crônica junto à Clínica de Dor da Disciplina de Neurologia Clínica da própria UFTM. Posteriormente aprimorou sua educação em Dor e Cuidados Paliativos no Instituto Israelita de Ensino e Pesquisa
Hospital Albert Einstein em São Paulo. Atuou como Clínico Internista do Sanatório Espírita de Uberaba (hospital psiquiátrico de grande porte situado em Uberaba/MG) e posteriormente como Diretor (por um breve período), fase em que pôde obter extensa experiência em neuropsiquiatria e cuidados ao doente crônico em uma equipe multidisciplinar. Atualmente tem o prazer em atuar como Médico Pesquisador voluntário da Unidade de Dor e Cuidados Paliativos Pediátricos
do Instituto da Criança do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP, em São Paulo, onde aprimora-se em seus estudos de pós-graduação stricto sensu, tendo como foco de estudos as crianças portadoras de doenças raras, em especial a Epidermólise Bolhosa. Concomitantemente ao seu desempenho na área científica, o Dr João Alberto segue suas atividades médicas na área de saúde pública e atendimento a doentes graves em Urgência e Emergência e Clínica Geral.





Cuidados Paliativos e Atendimento Domiciliar

Combater a dor persistente é fundamental para impedir a dor crônica! Pode parecer óbvio, mas hoje sabemos que a dor mal tratada leva a um processo chamado "sensibilização central". Isso significa que após 3 meses sentindo dor PERSISTENTE (em média), o seu cérebro registrará o fenômeno doloroso e depois, mesmo que a condição que causou a dor seja sanada, você ainda a sentirá indefinidamente. Essa é a base da formação da DOR CRÔNICA.

A Dor Crônica é uma condição de difícil tratamento! E é fundamental que você procure ajuda especializada. Hoje no mundo a dor crônica compromete a vida de milhões de pessoas e já é considerada como uma doença e não somente um sintoma. Ela causa um duro prejuízo pessoal (físico, mental e social) ao seu portador, assim como a perda de milhões de dólares anualmente decorrente de tratamentos ineficazes e perdas de dias de trabalho.

A Dor Crônica pára a sua vida! E isso é tão grave que este foi o tema de uma ação mundial da Associação Internacional para o Estudo da Dor (IASP), o principal e mais importante grupo de propagação de conhecimento sobre a Dor em todo o mundo! Ou seja, este é um tema muito estudado, mas infelizmente as pessoas ainda não se deram conta da gravidade da situação! Não fique preso(a) por causa da dor! DOR CRÔNICA TEM TRATAMENTO!

Metas dos Cuidados Especializados

Clínica de Dor:

  • Diagnóstico correto da Dor e terapia adequada
  • Controle eficaz da Dor Aguda e melhora de sintomas
  • Profilaxia contra a Dor Crônica (especialmente controlando a Dor Aguda)
  • Manejo adequado da Dor Crônica
  • Manejo eficaz dos possíveis efeitos colaterais dos medicamentos
  • Seguimento Termográfico
  • Reabilitação ao Trabalho e à Vida

Clínica Geral:

  • Rastrear e diagnosticar as doenças mais frequentes
  • Prevenção e seguimento das doenças mais frequentes
  • Interceder pelo paciente junto às especialidades médicas
  • Abordagem atenciosa e esclarecedora
  • Ajudar o paciente a compreender condutas dos Especialistas
  • Sanar dúvidas sobre medicamentos
  • Fazer Check Ups

Cuidados Paliativos:

  • Ações voltadas para a melhoria da qualidade de vida dos pacientes
  • Prevenção e alívio do sofrimento, por meio de identificação precoce
  • Início no momento do diagnóstico e continuar durante o tratamento
  • Abordagem os anseios dos familiares
  • Avaliação correta e promoção do controle da dor e alívio de outros sintomas
  • Manejar o sofrimento
  • Prover dignidade na terminalidade
Ler 148 vezes

Deixe um comentário